quarta-feira, 26 de setembro de 2007

COMO SE APRESENTAR EM UMA EMPRESA

Apresentação Pessoal

Uma boa apresentação pessoal de um profissional, independente do cargo ou da função exercida na empresa, pode revelar muito sobre a qualidade e a capacidade dessa mesma empresa. Costuma-se dizer que o profissional é o “cartão de visita” de qualquer empresa, o elo, o espelho.
No caso de funcionários da recepção, o capricho precisa ser ainda maior, tanto nas vestimentas – como com cuidados com higiene, unhas, cabelos, além de se apresentar sempre com disposição e simpatia. Lembre-se de que você é uma espécie de espelho da empresa, uma amostra do que os clientes encontrarão lá dentro.

Apresentação e Nível Profissional

A apresentação é uma amostra do seu nível profissional, assim como da sua capacidade, preparo e eficiência. Demonstrar ainda – nunca é demais relembrar – o padrão da empresa e a qualidade dos produtos e serviços que ali podem ser encontrados.
A apresentação é um ponto importante do marketing pessoal e também do marketing da empresa, pois conta pontos para a ascensão profissional e para a respeitabilidade dentro de qualquer emprego. Partindo do princípio de que é uma profissão que estabelece o contato direto com dezenas de pessoas, o recepcionista deve responder á diversas regras condizentes com a atividade desenvolvida.

Começando pelo cuidado pessoal

A aparência física é de suma importância, começando pela higiene pessoal. No caso de homens, esses detalhes passam por unhas sempre cortadas, cabelos aparados e barba bem feita. O uso do gel não só é permitido como é também recomendado, pois costuma “domar” até mesmo os cabelos mais difíceis, além de dar um ar de sobriedade. Cuidado apenas para não cometer exageros.
No caso das mulheres, é preciso estar sempre com os cabelos bem cuidados. Seus cabelos devem estar sempre limpos e penteados. Grande parte das empresas recomenda que os cabelos femininos estejam presos, isso não costuma ser obrigatório, mas é uma recomendação que deve se levada a sério. O cuidado com as unhas, que devem estar num tamanho razoável.

Cuidados com certos exageros

Perfume com moderação
Cigarro nem pensar!
Conversa fiada, Não!
Não roa as unhas
Chicletes são proibidos

Imagem pessoal

A linguagem universal do corpo:
Preocupando-se com a forma de usar as palavras certas e falar o que acreditamos ser o esperado, acabamos esquecendo que a linguagem corporal exerce um papel fundamental, pois atrai de forma surpreendente as pessoas mesmo antes que as palavras sejam ditas. A forma de andar, sentar, olhar, a posição da cabeça, gestos, posturas e vestuário são observados através desta linguagem, que, mesmo sendo universal, não é tão conhecida e percebida quanto deveria.

* Sorriso
* Postura
* Entusiasmo
* Contato visual
* Gestos

Empresa que utilizam uniformes

Determinados estabelecimentos definem um padrão de uniforme que deve ser seguido de forma rígida por todos os funcionários. Se a empresa utiliza roupas idênticas, é assim que elas devem permanecer em todos, independente da função.
Esse padrão de vestimenta costuma se rígido. Por isso, preste atenção a todos os detalhes. Jamais utilize sapatos que fujam ao modelo padrão, roupas desbotadas, desleixadas ou sujas contarão pontos negativos. Não se deve acrescentar detalhes ao uniforme que, quase sempre, é doado pela empresa aos funcionários, que devem sempre mantê-lo sempre impecável.

Empresas onde a vestimenta é livre

No caso das empresas onde há liberdade de vestimentas, devem se seguir basicamente alguns critérios relacionados á elegância, sobriedade e ao bom gosto, sempre com discrição e sem exageros. O fato de a vestimenta ser livre não significa que o funcionário possa andar como bem entende, como se estivesse em casa ou na praia.
Mesmo as empresas com ares mais descontraídos não permitem desleixo, roupas surradas demais, sujas ou mal passadas.

Como se calçar para o trabalho

No caso do recepcionista, por ser um trabalho realizando boa parte do tempo em pé, é fundamental que os sapatos sejam confortáveis o suficiente para evitar o cansaço precoce.
No caso de homens, os sapatos devem estar sempre limpos e engraxados. As cores pretas e marrons são as mais aconselháveis.
No caso das mulheres, devem ser evitadas as sandálias chamativas e de cores berrantes. Os saltos devem ser moderados, para não se destacarem demais e evitar o cansaço das pernas. Procure escolher um calçado discreto que esteja de acordo com a vestimenta.

Que roupa usar

Apesar de confortável e prático, o jeans não costuma ser a melhor companhia para quem trabalha com executivos ou em grandes empresas. Uma roupa social, mesmo que simples, fica sempre melhor e mais adequada á função. Apenas em empresas bastante informais libera-se o uso de jeans mas, mesmo assim, sempre que possível, procure evitar.

Elegância e harmonia

No caso das mulheres, a saia é recomendada. A altura ideal é um pouco acima ou abaixo do joelho. Não encurte demais, fica vulgar e não combina com ambientes sérios. As calças sociais também vão bem, contanto que as cores sejam discretas e harmoniosas. Nunca use mais de uma peça estampada, ou seja se a blusa tiver estampas, a calça ou saia deve m ser lisas e vice-versa.
Para os homens, o recomendado é usar calças escuras combinadas com camisas claras nunca falham. No caso da obrigatoriedade do uso do terno, blazer ou paletó, opte por cores discretas. A camisa branca também é um clássico que nunca sai de moda.

Não abuse dos acessórios

As mulheres devem ficar atentas para não pecar no excesso de jóias, lenços ou bijuterias. A moderação costuma ser a melhor guia nessa hora. A maquiagem costuma ser outra questão onde a freqüência de erros é enorme. A maquiagem deve ser clara e discreta. Na maioria das vezes, um simples batom já é mais que suficiente.



Regras de comportamento

Lembre-se a empresa não é uma extensão da sua casa como muitas imaginam. Para isso daremos algumas dicas de comportamento que podem prejudicar seu relacionamento com a empresa em que trabalha.
- Ir com um sapato aparentável mas não confortável e na empresa colocar outro para suportar a jornada.
- Jogar lixo fora do lugar adequado ou pregar chicletes embaixo da mesa.
- Bocejar sem colocar a mão na boca
- Espirrar sem virar o rosto
- Apoiar o cigarro nos móveis.
- Deixar copinhos de café em qualquer lugar, ou usar o copinho usado como cinzeiro
- Não desligar o telefone ao passar uma ligação, ouvindo a conversa.
- Não escovar os dentes depois do almoço e fazer sua higienização no horário de serviço.
- Demorar demasiadamente no banheiro, dando a impressão de estar fugindo do serviço.
Sua estabilidade no trabalho depende única e exclusivamente do seu comportamento.

O profissional que o mercado quer

Ética profissional

É extremamente importante saber diferenciar a Ética da Moral e do Direito. Estas três áreas de conhecimento se distinguem, porém têm grandes vínculos e até mesmas sobreposições.
A moral estabelece regras que são assumidas pela pessoa, como uma forma de garantir o seu bem-viver.
O Direito busca estabelecer o regramento de uma sociedade delimitada pelas fronteiras do Estado.
A Ética é o estudo geral do que é bom ou mau, correto ou incorreto, justo ou injusto, adequado ou inadequado. Um dos objetivos da Ética é à busca de justificativas para as regras propostas pela Moral e pelo Direito. Ela é diferente de ambos – Moral e Direito – pois não estabelece regras. Esta reflexão sobre a ação humana é que caracteriza a Ética.


Ética profissional: Quando se inicia esta reflexão?

Esta reflexão sobre as ações realizadas no exercício de uma profissão deve iniciar bem antes da prática profissional.
A fase escolha profissional, ainda durante a adolescência muitas vezes , já deve ser permeada por esta reflexão. A escolha por uma profissão é optativa, mas ao escolhê-la, o conjunto de deveres profissionais passa a ser obrigatório.
Toda a fase de formação profissional, o aprendizado das competências e habilidades referentes á pratica específica numa determinada área, deve incluir a reflexão, antes do inicio dos estágios. Ao completar a formação em nível superior, a pessoa faz um juramento, que significa sua adesão e comprometimento com a categoria profissional onde formalmente ingressa.
Mas pode ser que você tenha que começar a trabalhar antes e inicia uma atividade profissional sem completar os estudos ou em área que nunca estudou, aprendendo na prática. Isto não exime você da responsabilidade assumida ao iniciar esta atividade!
Um jovem que, por exemplo, exerce a atividade de auxiliar de almoxarifado durante o dia e, á noite, faz curso de programador de computadores, certamente estará pensando sobre seu futuro em outra profissão, mas deve sempre refletir sobre sua prática atual.


Como é esta reflexão?

Tomando-se o exemplo anterior, esta pessoa pode se perguntar sobre os deveres assumidos ao aceitar o trabalho como auxiliar de almoxarifado, como está cumprindo suas responsabilidades, o que esperam dela na atividade, o que ela deve fazer, mesmo quando não há outra pessoa olhando.
Atitudes de generosidade e cooperação no trabalho em equipe, mesmo quando a atividade é exercida solitariamente em uma sala, ela faz parte de um conjunto maior de atividades que dependem do bom desempenho desta.
Uma postura pró-ativa, ou seja não ficar restrito apenas ás tarefas que foram dadas a você, mesmo que ele seja temporário. Você pode atender num balcão de informações respondendo o que lhe foi perguntado, de forma fria, e estará cumprindo o seu dever, mas se você mostrar-se mais disponível, talvez sorrir, ser agradável, a maioria das pessoas que você atende também serão assim com você, e seu dia será muito melhor.
Muitas oportunidades de trabalho surgem aonde você menos espera, desde que você esteja aberto e receptivo, e que você se preocupe em ser um pouco melhor a cada dia. E se não surgir, outro trabalho certamente a sua vida será mais feliz. É preciso sempre continuar melhorando, aprendendo, experimentando novas soluções, criando novas formas de exercer suas atividades, aberto a mudanças, nem que seja mudar pequenos detalhes, mas que podem fazer uma grande diferença na sua realização profissional e pessoal.
E isto é parte do que se chama empregabilidade: a capacidade que você pode ter de ser um profissional que qualquer patrão desejaria ter entre seus empregados, um colaborador. Isto é ser um profissional eticamente bom.

Ética profissional e relações sociais

O varredor rua que se preocupa em limpar o canal de escoamento de água da chuva, o auxiliar de almoxarifado que verifica se não há umidade no local destinado para colocar caixas de alimentos, o médico cirurgião que confere as suturas nos tecidos internos antes de completar a cirurgia, o engenheiro que utiliza o material mais indicado para a construção de uma ponte, todos estão agindo de forma eticamente correta em suas profissões, ao fazerem o que não é visto aquilo que, alguém descobrindo, não saberá quem fez, mas que estão preocupados, mais do que com os deveres profissionais, com as PESSOAS.
As leis de cada profissão são elaboradas com o objetivo de proteger os profissionais, a categoria como um todo e as pessoas que dependem daquele profissional, mas há muitos aspectos não previstos especificamente e que fazem do comprometimento do profissional em ser eticamente correto, aquele que independente de receber elogios, FAZ A COISA CERTA.

Ética profissional e atividade voluntária

Outro conceito interessante de examinar é o de Profissional, como aquele que é regularmente remunerado pelo trabalho que executa ou atividade que exerce, em oposição a Amador. Nesta conceituação, se diria que aquele que exerce atividade voluntária não seria profissional, e esta é uma conceituação polêmica.
Em realidade, Voluntário é aquele que se dispõe, a exercer a pratica Profissional não-remunerada, seja com fins assistências, ou prestação de serviços em beneficência, por um período determinado ou não.
É só eticamente adequado, o profissional que age, na atividade voluntária, com todo o comprometimento que teria no mesmo exercício profissional se este fosse remunerado.
Um engenheiro que faz sua atividade voluntária de dar aulas de matemática. Ele deve agir, ao dar estas aulas, como se esta fosse sua atividade mais importante. É isto que aquelas crianças cheias de dúvidas em matemática esperam dele!
Se a atividade é voluntária, foi sua opção realizá-la. Então, é eticamente adequado que você a realize da mesma forma, como faz tudo que é importante em sua vida.


Pontos para sua reflexão

É imprescindível estar bem informado, acompanhando não apenas as mudanças nos conhecimentos técnicos da sua área profissional, mas também nos aspectos legais e normativos. Vá e busque o conhecimento. Muitos processos ético-disciplinares nos conselhos profissionais acontecem por desconhecimentos, negligência.
Competência técnica, aprimoramento constante, respeito ás pessoas, confidencialidade, privacidade, tolerância, flexibilidade, envolvimento, afetividade, correção de conduta, boas maneiras, relações genuínas com as pessoas, responsabilidade, corresponder á confiança que é depositada em você...
Comportamento eticamente adequado e sucesso continuado são indissociáveis!

Comunicação eficaz

Poucos mecanismos eficazes de comunicação são aplicados atualmente nas organizações. Na realidade, a ênfase maior esta na metodologia de trabalho, nos fluxogramas, relatórios e processos.

Diferença entre informação e comunicação

Informação: Emissor envia mensagem (conjunto de dados com a intenção de eliminar uma série de incertezas) para o Receptor.
Comunicação: Emissor envia a mensagem para o Receptor, no entanto esta mensagem deve ser entendida, decodificada e retornada ao Emissor através do FEEDBACK (compreensão da mensagem que foi transmitida).

Tipos de comunicação

Interpessoal: Uma pessoa se comunica com outras pessoas. Quanto mais pessoas envolvidas neste tipo de comunicação, maiores chances de ocorrer problemas de comunicação.
Interfuncional: Uma área da empresa se relaciona com outras áreas da própria empresa. A comunicação pode ser verbal, escrita telefônica ou por e-mail.
Corporativa: A empresa se relaciona internamente com seus funcionários ou com outras empresas. Ex: Comunicado oficial do Presidente da empresa para todos os empregados internos. Ex.: Empresa ABC S/A envia correspondência para o Jornal A GAZETA (uma falha na comunicação corporativa pode afetar bastante a imagem da empresa que emitiu a mensagem).
Informal: Quando os canais formais de comunicação da empresa funcionam precariamente (jornal interno, internet, quadro de avisos etc.). Também conhecia como “rádio corredor”, pois ela é sempre veloz, porém, normalmente, é imprecisa. Funcionários começam a gerar a informação informalmente através de boatos e fofocas.

Efeitos da comunicação verbal

Palavra = 7%, Tom de Voz = 38% e Postura corporal = 55% (gesto, olhar)

Gaps na comunicação

São ruídos ou mal entendidos que podem levar a empresa a sérios prejuízos. Veja as principais causas.
Ambiente adverso: Local com muito barulho, tumultuado e com trânsito de pessoas.
Momento impróprio: Uma pessoa está atendendo ao telefone e outro funcionário entra na sala e dá um recado.
Linguagem inadequada: Falar muito termo técnico e palavras estrangeiras para o público leigo.
Exposição descuidada ou exagerada: O emissor fica distraído enquanto transmite a mensagem; transmitir a mensagem com muitos rodeios e perdendo o foco principal.
Incoerência da mensagem: Mensagem de otimismo esta sendo transmitida por pessoa desmotivada e triste. Os receptores vão ficar desconfiados.
Conotação preconceituosa: Ex: quando um instrutor diz para os estagiários no primeiro dia de treinamento – “vou explicar para vocês bem devagar para entenderem direitinho”. Na verdade, não se deve julgar superior em relação ao receptor da mensagem principalmente se forem de escolaridade inferior.
Choque de personalidades e cultura diferenciada: O emissor deve tomar cuidado com palavras e termos que não são entendidos ou possuem outra interpretação em outras regiões do próprio país.

Conclusão
Nunca é demais perguntar: “entendeu?” ou “existe alguma dúvida?”.
Anotar os pontos importantes da mensagem verbal é fundamental.
Observar as reações do receptor ao longo da transmissão da mensagem.
Mensagens escritas precisam de cuidados redobrados, pois o receptor não vai tirar dúvidas com o emissor.
Ter empatia na comunicação, ou seja, o que pode parecer simples para o emissor da mensagem pode ser muito complicado para o receptor.

Um comentário:

Umbelina disse...

Gostei do artigo, mas aconselhava a substituir o "entendeu?" por "Fiz-me entender?". Á partida temos que pensar que podemos não ter transmitido com eficácia a mensagem. Assim, temos que ter a noção que se a pessoas não compreenderam a culpa pode ser nossa e não do receptor.
Cumprimentos
Lina Garcia
964 846 168